“Qual a medalha de Ricardo Teixeira?”. Editorial publicado hoje na capa do Jornal LANCE!

 

LANCEPRESS!
Publicada em 14/07/2011 às 23:42

Nada melhor para definir o caráter de uma pessoa do que ouvir o seu próprio discurso. As recentes declarações do presidente da CBF e do COL (Comitê Organizador da Copa de 2014) à revista Piauí deixaram à mostra um Ricardo Teixeira que ninguém seria capaz de descrever. Só ele mesmo. Os maus modos das palavras de baixo calão, a arrogância de se achar dono do futebol e ameaçar os que não comungam de seus interesses e a prepotência de se colocar acima das instituições, da Justiça, da Imprensa, da opinião pública, resumem a personalidade do homem que há mais de duas décadas reina no nosso futebol.

A fome de poder do senhor Teixeira não tem limites. Montou o COL à sua imagem e semelhança. Notória competência, independência, reconhecimento social não  foram requisitos para escolha dos membros. Tão somente, precisavam ser amigos ou parentes do rei. Da filha ao advogado, passando pelo assessor de imprensa. Sócio do comitê – uma situação inédita em toda a história das Copas – foi flagrado por este LANCE! que denunciou artifício que lhe permitiria manobrar a seu bel-prazer – inclusive em benefício próprio e privado – eventuais lucros do Mundial. Ao menos nesse ponto, viu-se forçado a recuar.

Ele é assim. Diz que ninguém tem nada a ver com as contas da CBF por ser ela uma empresa privada. Como se o futebol não fosse um patrimônio cultural, um bem do povo brasileiro. Tentou mesmo passar por cima da lei, devolver os incentivos fiscais que o COL terá direito até 2014, como forma de se livrar da fiscalização dos tribunais de contas. Manobra, enfim uma boa notícia, que a Receita Federal promete abortar.

Teixeira diz que exerce controle sobre a política editorial da maior rede de televisão do país. E o mais impressionante é que nenhuma notícia sobre as acusações que vem sofrendo mundo afora – e que o atiram no mar de lama e corrupção que ronda a alta direção da Fifa –, ganha destaque nos noticiários dessa emissora. Em contrapartida, diz que pode retaliar, “fazer maldades” contra os veículos (além deste LANCE!, Folha de S.Paulo, UOL e ESPN ) que não considera aliados. Atitude vingativa. Como vingativa foi a decisão de afastar Romário – o agora deputado que teve a petulância de convidá-lo a depor na Câmara sobre as suspeitas de irregularidades – da solenidade de sorteio das Eliminatórias da Copa.

O Brasil – ou pelo menos um lado do Brasil – está cheio de Ricardo Teixeira. Num país onde governadores beijam-lhe as mãos à caça de um joguinho a mais ou a menos da Seleção, louve-se os deputados do Amazonas que negaram-lhe o direito de receber o título de cidadão amazonense. “Ele merece receber uma medalha do presídio”, resumiu Marcelo Ramos, do PSB local.

Ainda há tempo de reagir. Para ser grande, para atrair investimentos e a admiração do mundo, não basta a um país ter uma economia estável. Não bastam grandes eventos. É preciso dar um sinal de que a moralidade, a defesa do interesse comum, a transparência no trato da coisa pública – que a presidente Dilma tem pregado desde a sua posse – são bens irrefutáveis de toda a Nação.

Manter Ricardo Teixeira no comando da Copa com certeza não é sinal disso. É um mau recado para o mundo. E faz mal ao Brasil.

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.